quinta-feira, 23 de março de 2017

O Dia do Pai

Na passada sexta feira, festejamos na nossa sala o Dia do Pai. Tínhamos tudo pronto para recebermos os nossos pais... preparamos a prenda, decoramos a sala e fizemos um bolo de cenoura  para o lanche. Lanche que teve um gosto especial.

Quando chegaram à sala, os pais tinham uma mesa decorada com diferentes taças de fruta, cada fruta com um significado diferente. Pais e filhos criaram um sumo com os ingredientes que melhor caracterizavam a sua relação para acompanhar o lanche e, no final, registaram-no.


Obrigada a todos os pais pela vossa presença!

quarta-feira, 22 de março de 2017

Será que nevou na nossa sala?

O E. F e a A. foram à neve e trouxeram fotografias para partilharem connosco a sua experiência.
Enquanto contavam as novidades, reparamos que a neve deixou tudo branco e que, como a neve é muito fria, a A. e o E.F. tiveram que vestir roupas muito quentes.


Como não estamos habituados a ver neve e ficamos muito curiosos em senti-la, resolvemos tentar trazer a neve à nossa sala. Com dois ingredientes, a espuma de barbear e bicarbonato de sódio, tentámos fazer neve artificial. 


E não é que resultou!!


Fizemos bonecos e bolas de neve... e ainda descobrimos que  conseguimos deixar a nossa mão marcada na neve. 

Gostámos tanto desta experiência que quisemos partilhá-la com a sala da Xana.

Por fim, como a sensação da espuma na nossa mão foi tão diferente e nova para nós acabamos por repeti-la e o resultado foi este…


terça-feira, 14 de março de 2017

Técnica da Carimbagem

O A.L trouxe-nos carimbos de várias formas para explorarmos na sala. Como nunca experimentamos esta técnica, recebemos a Maria, mãe do A.L, para nos ajudar e ensinar a utilizar esta técnica.

Depois de conhecermos todas as formas de objetos que tínhamos ao nosso dispor, a Maria e o A.L ajudaram-nos a organizar o material necessário para realizarmos a atividade.


No final, ficamos maravilhados ao ver a reprodução das imagens no papel.


terça-feira, 7 de março de 2017

Brincar é muito mais!

Muitos são os pontos de partida que nos trazem novas aventuras e descobertas. Situações que se vivem naquele preciso momento ou que se repetem no nosso dia a dia.
Um olhar atento sobre as brincadeiras das crianças, a forma como estas exploram o espaço e os materiais que nele se encontram ao mesmo tempo que adquirem competências sociais e linguísticas  ou desenvolvem a criatividade e raciocínio lógico, permite-nos descobrir os seus interesses e transformá-los em experiências divertidas e enriquecedoras. 

Quando o interesse é comum ao grupo…

Quando o subir ou o descer, o trepar e rastejar são uma constante…


Ou quando descobrimos algo que nos faz ver o mundo de outra forma!
 
Brincar é muito mais!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

"A Lagartinha"

Na semana passada, recebemos na nossa escola o Teatro do Biombo que nos trouxe uma peça de teatro inspirada na história infantil “A Lagartinha muito comilona”, de Eric Cale.

“À luz da Lua, um pequenino ovo descansava numa folha. Num domingo de manhã o sol quente chegou e PLOC!..., de dentro do ovo saiu uma lagartinha magra e esfomeada. 
Vamos dar-lhe de comer! Vamos cantar para ela aparecer! No fim, uma grande transformação vai acontecer! (…)”



Muito atentos, fomos envolvidos na vida desta pequena lagartinha, através de luzes e sons, até se transformar numa Borboleta colorida.  



domingo, 5 de fevereiro de 2017

Grande e Pequeno

Durante esta semana, andámos muito atarefados a dar os primeiros passos na construção de alguns conceitos matemáticos, que tantas vezes utilizamos no nosso dia a dia, como o grande e o pequeno.
Depois de encontrarmos estes conceitos em muitas histórias que exploramos e de nos servirmos deles ao longo do nosso dia, aproveitámos o livro que o E. nos trouxe sobre os opostos para nos ajudar a explorar um pouco estas noções.
Algo em que, para nós, é bem visível a diferença entre o grande e o pequeno são as nossas mãos. Então, depois de um pequeno jogo com os objetos que temos na sala, formámos dois conjuntos (pequeno e grande) e fizemos o mesmo com as nossas mãos.


Descobrimos que os adultos têm as mãos grandes e que as crianças têm as mãos pequenas. Decidimos registar esta descoberta e estende-la às outras salas. 


Fomos à sala da Fátima e ao Berçário procurar mãos grandes e pequenas para juntar ao nosso registo.




Feito o registo, somos muitas vezes encontrados a descobrir e a comparar o tamanho das nossas mãos.